19th Ave New York, NY 95822, USA

O custo meteórico para tomar decisões nas grandes empresas.

O Pensador de RODIN. Disponível em <https://www.culturagenial.com/o-pensador-de-rodin/>

Essa semana eu tive uma dessas reuniões que mais parecem lives, com umas 12 pessoas ao mesmo tempo. Éramos um superintendente e quatro diretores em Porto Alegre, uns dois gerentes de conta e uns cinco diretores de criação em uma agência em São Paulo e uns dois gestores de negócios em Curitiba. Além de mim, é claro.

No meio dessa reunião eu tive um “gatilho”, como dizem atualmente nas redes sociais.

Eu passei 11 anos da minha vida trabalhando em uma empresa multinacional, onde construí uma carreira de ascendência meteórica. De repente, em um dado momento, eu havia desistido daquilo tudo.

Não sei dizer exatamente o que houve. De repente, me encontrei cansado daquilo. Foram 11 anos de crescimento contínuo, mas, quando cheguei muito longe, vi que tinha muito orgulho da minha trajetória, mas não me reconhecia onde eu estava.

Precisava simplificar tudo.

Precisava focar no que eu me imaginava estar fazendo quando era jovem e me projetava nessa fase da minha vida. Enfim, precisava me realinhar com meus propósitos.

Hoje, quando me perguntam por que eu fiz tudo isso, minha resposta é bem mais simples!

Digo apenas que fiquei cansado da politicagem que não tinha NADA haver com meritocracia e dos custos absolutamente desconexos com a realidade. Em grandes empresas, reclamamos muito dos setores públicos (com razão, é claro, pois ali são os nossos impostos), mas nas grandes empresas nas diretorias aprovávamos viagens internacionais com uma agilidade impressionante, porém, fazíamos um “deus nos acuda” quando precisávamos liberar um valor “mequetrefe” em um cartão corporativo para pagar a mensalidade de um plano na AWS.

Sempre com uma história de “preencher projeto”, “justificar verba”, “não faz parte da política da empresa”, nossa “forma de pensar é focada em outro aspecto”. Aliás, quantas vezes eu não comentei, em tom de brincadeira, que eu preferia gastar “aquele valor da minha viagem” em equipamentos de melhor qualidade para minha equipe, e sempre tinha alguém que respondia: são clusters diferentes, não podemos. SEMPRE questionei esse tipo de gestão financeira.

Pois bem, no meio da tal reunião, eu me vi somando o valor da hora de trabalho daquelas pessoas. Nós já estávamos há duas horas discutindo. Eles deveriam ter feito umas duas reuniões antes da nossa naquele momento, para se prepararem para ela e falaram que continuariam a discutir um tempo depois.

Passei a calcular o valor da soma disso tudo, mais o custo da contratação CLT, bônus, décimo terceiro, férias, licenças e etc… e depois fui comparar com o valor que custaria o projeto que eles estavam avaliando se APROVAVAM ou NÃO, foi então que eu realizei que os valores eram meteóricamente incompatíveis!!!

O custo da decisão iria ser de quase metade do valor do projeto!

Na hora me lembrei da piada for business “mais uma reunião que poderia ter sido resolvida com um e-mail”, sorri para a câmera imaginária e agradeci a decisão que eu tomei de abrir mão dos 11 anos de carreira.

Sou mais feliz hoje, sem dúvida.

Related Posts

Leave a comment